domingo, julho 30, 2017

SÉRIE | FRIENDS FROM COLLEGE

Apesar de ser fanática por séries dramáticas e de suspense, de vez em quando eu tento algo diferente, como comédias, por exemplo. Não preciso dizer que a Netflix arrasa nas produções originais e, mesmo que algumas séries não sejam muito bem recebidas pela crítica, não é possível negar que ela manda muito bem, sim! Lançada no início do mês, a série Amigos da Faculdade entrou para roll das minhas séries queridinhas, mas já prevejo um cancelamento vindo por aí.

sexta-feira, julho 28, 2017

COISAS ALEATÓRIAS QUE ESTOU AMANDO

Sabe quando você encontra tanta coisa legal por aí, mas que não rola fazer um post unicamente para aquilo? Embora seja muito legal, não sei se conseguiria fazer um post falando sobre álcool em gel, por exemplo. E aí que ultimamente tenho encontrado tantas coisas legal, produtos bons e fofos que eu acho que eles merecem um lugarzinho especial por aqui.

segunda-feira, julho 17, 2017

FESTIVAL DO AÇAÍ E SORVETE NO PARQUE DA CIDADE

Uma coisa que eu reparei aqui no blog é que os posts mais acessados são aqueles mais pessoais, que conto algo sobre minha vida e sobre como tudo está do lado de cá, por exemplo, esse texto. Acho bem legal, porque sei que quando preciso desabafar sempre tem um monte de gente linda com mensagens maravilhosas para mim. Pensando nisso, decidi compartilhar com vocês minha ida ao Festival do Açaí e do Sorvete que teve esse final de semana aqui em Brasília.
Aqui em Brasília tem muito essa coisa de festival, mas normalmente não me empolgo muito, já que os preços costumam ser bem altinhos. Não sei se vocês sabem, mas Brasília é toda gourmetizada. Tudo aqui, a meu ver, é bem mais caro do que qualquer coisa. Mas ainda assim fui ao festival de pizza e, agora, ao festival do sorvete e do açaí.

Eu sou muito louca por açaí e o Rodrigo por sorvete. Tínhamos comentado sobre  o evento há algum tempo, mas acabei deixando a ideia de lado. Sábado o dia foi bem puxado - para quem não sabe eu trabalho em escalada 12x36, de 11:30 às 23:30, mas é bem comum eu sair de lá depois de 00h - e minha intenção era passar o domingo fazendo vários nada. Eis que acordo com o Rodrigo me ligando e dizendo que iríamos tomar açaí, mas que não era pra eu ir de pijama, porque seria no Parque da Cidade. Se eu ri? Até agora! Já viu o quanto ele me conhece, né, amores?
O evento aconteceu no ~tão famosinho por aqui estacionamento quatro do Parque e assim que chegamos lá deu para ver que os preços estavam até bons. Sabe aquela sensação de paraíso? Foi assim que fiquei ao saber que estava rodeada por açaí, os olhos chega brilharam. Como açaí é uma coisa que enche pra caramba, nós selecionamos bem o que iríamos pedir. No primeiro estande que paramos, tinha uma placa escrito 'acompanhamentos a vontade' e que de a vontade não tinha nadinha. Enfim, o açaí era bom e ainda vinha com sorvete combinação legal.
Depois decidi que eu queria um açaí artesanal, queria bancar a hipster. Realmente era bem mais saboroso e o preço razoável. Pagamos R$15 em um pote de 500ml. Aqui onde eu moro, essa mesma quantidade de açaí ~não artesanal é em torno de R$9. Conseguimos provar várias coisas legais e acho que valeu muito a pena passar pelo festival.
Outra coisa muito legal que o festival trouxe, foi o estande de doação de pets. Eu nunca tinha visto de perto esse tipo de ação e confesso que dá uma dorzinha no coração por ver aqueles bebês tão fofos esperando um lar. Se eu pudesse teria pegado todos para mim. O que conforta é saber que mesmo que eles não tenham sido adotados eles são muito bem cuidadinhos. Torço para que a maioria ali tenha conseguido um humano para amar.
Além de muita coisa gostosa, teve, ainda, uma feirinha de artesanato, que tinha diversas coisas legais. Comprei uma brusinha fofa de unicórnio por R$20 e precisei confirmar várias vezes com a moça se era mesmo esse preço. É tão raro, né? E faz tempo que procuro peças de unicórnio e não acho, quando acho, custam um rim. Teve música ao vivo com bandas autorais da cidade, o que acho muito legal, visto que hoje em dia é bem raro ter espaço para essas coisas. 

Foi tudo muito divertido e valeu demais deixar a Netflix e minha cama um pouco de lado. Às vezes tenho essa coisa de querer apenas descansar e acabo deixando de fazer várias coisas. Ainda bem que ontem não foi assim.

segunda-feira, julho 10, 2017

LIVRO | OS MAIORES DEMONOLOGISTAS DO MUNDO - TIAGO BODE

Antes mesmo de pensar em ir na Feira do Livro esse ano, eu já sabia o que eu queria comprar por lá: livros baratos com histórias de terror. Fiquei em dúvida entre vários, já que tinham muitos a dez reais. Peguei esse livro umas três vezes e acabei largando ele com dorzinha no coração, porém no último dia em que fui, meus três sobrinhos foram também e um deles decidiu comprar, o que me deixou muito feliz!
Existem vários livros que contam a história do casal Ed e Lorraine Warren, e aqui temos mais um, só que o fato de ele ser curto e conciso fez com que eu gostasse bastante. Tanto é que li em menos de cinco horas. No livro, Tiago Bode conta mais sobre a vida dos dois maiores demonologistas do mundo e falam sobre seus trabalhos mais conhecidos. Quem aí nunca assistiu Invocação do Mal? E Horror em Amityville? Certeza de que você já ouviu falar daquela boneca muito louca chamada Anabelle.
Bom, foi a primeira vez que li um livro sobre o casal. Confesso que o que sei sobre o assunto li na internet e vi nos filmes. Porém muita coisa ainda foi surpresa para mim, como o fato de que Ed chegou a comentar várias vezes que tal história daria muito dinheiro. Claro que todos precisam de uma renda e que isso deu fama ao dois, mas não achei que a intenção em publicar história X seria apenas por dinheiro e que muitas coisas chegaram a ser encenadas.
Achei uma leitura bem tranquila, apesar de que em algumas partes a editora fez o favor de colocar letra cinza com o fundo preto. Falando nisso, procurei nessa internet a History Editora, mas parece que a empresa simplesmente não está na internet, muito menos o autor do livro, Tiago Bode. Encontrei poucas coisas a respeito e acho que um livro tão bom deveria ser mais divulgado. Além disso, é provável que você não encontre esse livro por aí dando sopa, já que não encontrei sequer no Skoob. Enfim, caso você se depare com ele por aí, lembre-se deste humilde blog que te indicou um livro fininho e com leitura leve.

terça-feira, julho 04, 2017

SÉRIE | THE HANDMAID'S TALE

Esses dias, decidi largar o iPad um pouco - que é onde assisto Netflix - e procurei uma série diferente para assistir. Como sou mega fã de mistério, drama, suspense, ficção, terror e afins, acabei parando em The Handmaids Tale. Olha, pense em uma série incrivelmente perturbadora! Ela tem uma história muito interessante e contundente.

Sinopse: Baseado na obra de Margaret Atwood, The Handmaid's Tale conta a história na distopia de Gilead, uma sociedade totalitária que foi anteriormente parte dos Estados Unidos. Enfrentando desastres ambientais e uma taxa de natalidade em queda, Gilead é governada por um fundamentalismo religioso que trata as mulheres como propriedade do estado. Como uma das poucas mulheres férteis restantes, Offred é uma serva na casa do comandante, uma das castas de mulheres forçadas à servidão sexual como uma última tentativa desesperada para repovoar um mundo devastado. Nesta sociedade aterrorizante onde uma palavra errada pode acabar com sua vida, Offred vive entre comandantes, as suas mulheres cruéis e seus servos - onde qualquer um poderia ser um espião para Gilead - tudo com um único objetivo: sobreviver e encontrar a filha que foi tirada dela.

Achou interessante? É uma história fictícia, mas não deixa de nos fazer pensar sobre o papel da mulher na sociedade, tanto do passado, quanto do presente e, claro, do futuro. Óbvio que algo parecido jamais aconteceria, ainda mais com mulheres poderosas que não permitem que nossos direitos sejam diminuídos, entretanto faz você pensar que em algumas culturas mulheres servem apenas para reprodução, estou mentindo? Margaret Atwood fez alguns comentários interessantes quando perguntada sobre sua obra, é um texto grande, mas que vale a pena tirar um tempinho para ler:

“Primeiro: o livro é ‘feminista’? Se você quer dizer um panfleto ideológico no qual todas as mulheres são anjos e/ou tão vitimizadas que são incapaz de escolhas morais, não. Se você quer dizer um livro no qual mulheres são seres humanos – com todas as variações de caráter e comportamento que isso implica – e também são interessantes e importantes, e o que acontece com elas é crucial para o tema, estrutura e trama do livro, então. Nesse sentido, muitos livros são ‘feministas’. (…) A segunda pergunta é: ‘The Handmaid’s Tale’ é contra a religião? Novamente, depende do que você acha. É verdade, um grupo de homens autoritários tomam o controle e tentam retomar uma versão extrema do patriarcado, na qual mulheres (como escravos americanos do século 19) são proibidas de ler. Mais para a frente, elas não podem mais ter dinheiro ou ter empregos fora de casa, ao contrário de algumas mulheres na Bíblia. No livro, a ‘religião’ dominante quer obter controle doutrinário, e denominações religiosas familiares a nós estão sendo aniquiladas. Então o livro não é anti-religião. É contra o uso da religião como justificativa para a tirania; o que é algo totalmente diferente. A terceira pergunta é: o livro é uma previsão? Não, porque prever o futuro não é possível: há muitas variáveis e possibilidades impossíveis de descobrir. Vamos dizer que seja uma antiprevisão: se esse futuro pode ser descrito com detalhes, talvez ele não vá acontecer. Por causa da recente eleição americana, medo e ansiedade se espalham. Liberdades civis básicas são vistas como ameaçadas, assim como muitos direitos conquistados pelas mulheres nas últimas décadas e nos últimos séculos. Nesse clima divisivo, no qual ódio por vários grupos parece aumentar e o desprezo por instituições democráticas está sendo expressado por extremistas de todos os tipos, é certeza de que alguém, em algum lugar está escrevendo o que está acontecendo enquanto essa mesma pessoa vivencia tudo isso. Ou as pessoas vão se lembrar e gravar depois, se puderem. Essas mensagens serão oprimidas e escondidas? Elas serão encontradas, séculos depois, numa casa antiga atrás de uma parede. Vamos torcer para que isso não aconteça. Eu acho que não vai.”

A série tem apenas dez episódios e, pelo menos comigo, foi questão de dois dias para terminar, apenas porque alguns compromissos me impediram de terminar em um dia. Os personagens são muito bem construídos e as atuações são ótimas. Eu amo quando vejo um ator que gosto fazendo um papel em uma série nova e boa, é o caso da Alexis Bledel, da Samira Wiley e da Serena Joy. Bom, fica aqui minha indicação, espero que curtam.

segunda-feira, julho 03, 2017

ESSE É SÓ MAIS UM POST SOBRE COMO ANDAM AS COISAS

Por incrível que pareça, está tudo dentro da normalidade. A última vez que escrevi por aqui falei sobre a temporada final de Bloodline. De lá pra cá, finalizei mais algumas séries e livros e vi uns dois ou três filmes. Está tudo até calmo. Mas como nada pode ser perfeito, eu simplesmente não sei mais escrever. Não sei o que acontece e por mais que eu já tenha ficado sem ideias antes, dessa vez é diferente. Eu tenho várias ideias, apenas não consigo escrever. 
Como eu disse, finalizei alguns livros e séries e eu gostaria muito de compartilhar com vocês, mas... não sei mais escrever. Acho que estou perdendo o jeito. Sento na frente do computador e essa tela em branco me dá pânico, aí vou lá e desligo esse velho companheiro que está nas últimas.
Muita coisa vem acontecendo, apesar da calma que eu disse que está sendo. Comprei várias coisas para a casa nova, a mudança era para ter acontecido essa semana e foi adiada por não sei mais quanto tempo - aí eu canto o trecho da música TEMOS TODO TEMPO DO MUNDO, para me convencer de que isso é verdade. 
Semana passada teve a Feira do Livro de Brasília e o II Encontro de Blogueiros Literários e Jovens Escritores, foi bem mais ou menos, mas comprei vários livros legais e cadê post sobre isso? Pedrugo e Pam Gonçalves vieram e tietei eles, mas cadê vontade de escrever? Estou mesmo preocupada comigo, já que faz tempo que não me sinto animada para nadinha. A ansiedade que antes me fazia perder noites de sono, agora me dá apenas sono. Fico martelando aqui na cabeça que é uma fase e que vai passar, mas está demorando e por mais que eu tente, é mais forte do que eu. 
Sabe meu braço? Não senti melhora nenhuma mesmo depois de quase sete meses. A fisioterapia só me fez perder tardes e mais tardes, apesar de as meninas serem ótimas. Sinto uma dor horrível o tempo todo, mas fazer o quê? Já tomei todos os remédios que me recomendaram, fiz compressa, fiz repouso e acho que já se tornou psicológico, já que até o médico me disse que não tem nada. 
Sempre que compartilho alguma coisa legal tanto aqui quanto nas redes sociais, recebo um retorno lindo e isso deveria me motivar né? Você já passou ou está passando por algo pelo menos parecido? Vamos torcer para acabar logo.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...